AVALIAÇÃO AMBIENTAL INTEGRADA COMO SUBSÍDIO AO MANEJO LACUSTRE (ESTUDO DE CASO: LAGOA JUPARANÃ, ES)

Nome: FABÍOLA CHRYSTIAN OLIVEIRA MARTINS
Tipo: Tese de doutorado
Data de publicação: 11/10/2013
Orientador:

Nomeordem decrescente Papel
Gilberto Fonseca Barroso Orientador

Banca:

Nomeordem decrescente Papel
Carlos Eduardo Veiga Carvalho Examinador Externo
Mônica Maria Pereira Tognella Examinador Interno
Paulo Pedrosa Andrade Examinador Externo
Renato David Ghisolfi Examinador Interno
Valéria da Silva Quaresma Examinador Interno

Resumo: O objetivo desta pesquisa foi avaliar as condições ambientais da lagoa Juparanã (ES) e sua respectiva bacia hidrográfica, através de indicadores biofísicos, relação com uso e ocupação da terra e aplicação do modelo conceitual DPSIR, visando uma abordagem integrada. Foram realizadas 11 amostragens ao longo de ciclo sazonal anual, sendo seis amostragens no verão e cinco no inverno em quatro estações amostrais e três profundidades: subsuperfície, limite da zona eufótica e fundo da coluna d‟água. As variáveis limnológicas abióticas avaliadas foram: temperatura, oxigênio dissolvidos, nutrientes, condutividade elétrica, pH, turbidez, material particulado em suspensão, transparência da água. A estabilidade da coluna d‟água foi determinada através do cálculo da resistência térmica relativa e o número de Wedderburn A comunidade fitoplanctônica foi avaliada através da densidade populacional, biovolume, riqueza de táxons e concentração de clorofila a. Além disso, foi determinado índice da estado trófico lacustre. O uso da terra foi determinado através de SIG. A lagoa Juparanã é um ecossistema aquático de águas doces, pH levemente alcalino, polimítico, com reduzida transparência e clorofila a e elevadas concentrações de fósforo e oxigênio dissolvido, caracterizando-a com meso a eutrófica. Estas características favoreceram o desenvolvimento do fitoplâncton, principalmente das cianobactérias que apresentaram densidades elevadas, predominando durante todo o estudo em todas as estações e profundidades amostrais, resultando em reduzido biovolume e riqueza de táxons. As variáveis limnológicas apresentaram diferenças significativas apenas entre o verão e o inverno. Com relação ao uso da terra, a agricultura predomina na bacia hidrográfica, seguida de pastagem, sendo a urbanização pouco expressiva, predominando na paisagem sistemas seminaturais. Os efeitos da agricultura e da pastagem contribuíram para os aportes alóctones de nutrientes para a lagoa, que é um ecossistema misturado, disponibilizando-os ao fitoplâncton. A classificação do uso da terra permitiu caracterizar as classes de uso como indutores de pressões ao ecossistema e as variáveis limnológicas funcionaram como indicadores de estado do mesmo. Desta forma, a aplicação do modelo DPSIR para avaliação ambiental integrada da lagoa Juparanã e sua bacia hidrográfica mostrou-se eficiente e de fácil aplicação pelo gestor, principalmente, pela viabilidade de respostas diferentes apontadas.

Acesso à informação
Transparência Pública

© 2013 Universidade Federal do Espírito Santo. Todos os direitos reservados.
Av. Fernando Ferrari, 514 - Goiabeiras, Vitória - ES | CEP 29075-910