Toxicidade Aguda de um Óleo Leve Sobre Larvas de Aratus Pisonii (decapoda, Brachyura, Sesarmidae) e Determinação de Padrões para Bioensaios

Nome: Thalita Santos Amaral
Tipo: Dissertação de mestrado acadêmico
Data de publicação: 28/03/2011
Orientador:

Nomeordem decrescente Papel
Luiz Fernando Loureiro Fernandes Orientador

Banca:

Nomeordem decrescente Papel
Gilberto Fillman Examinador Externo
Luiz Fernando Loureiro Fernandes Orientador
Renato Rodrigues Neto Examinador Interno

Resumo: A determinação dos níveis tóxicos do petróleo em espécies nativas é imprescindível, principalmente por não haver protocolos de bioensaio para a grande maioria destas, o que dificulta a avaliação de possíveis impactos sobre a biota aquática. Aratus pisonii é um pequeno caranguejo sesarmídeo de ampla distribuição geográfica, considerado um organismo chave na comunidade do mangue vermelho. O presente estudo teve como objetivo avaliar a toxicidade aguda da fração acomodada de água (FAA) de um óleo leve sobre as larvas deste sesarmídeo através da determinação da concentração mediana letal (CL50), bem como estabelecer padrões de bioensaio para a espécie, padronizando o dodecil sulfato de sódio como substância de referência e estabelecendo as condições mais adequadas para execução dos testes com este organismo. O ensaio de toxicidade aguda foi conduzido com larvas na fase de zoea I. A solução estoque (FAA) foi diluída nas proporções de 3,125 %, 6,25 %, 12,5 %, 25 %, 50 % e 100 %, em cada tratamento. Cinquenta larvas foram expostas a cada concentração, sendo 5 réplicas por tratamento e 10 organismos por réplica. A CL50 (48 h) obtida para o DSS foi de 6,39 mg L-1. A concentração total de HPAs e alifáticos foi estimada em, respectivamente, 0,289 µg L-1 e 299,64 µg L-1. Por sua vez, o total de hidrocarbonetos do petróleo (THP) foi calculado em 299,92 µg L-1 A análise química da FAA de um petróleo leve indicou que menos de 1 % do total de componentes químicos do óleo corresponderam a HPAs, ao passo que a MCNR correspondeu a 17,4 % e os hidrocarbonetos alifáticos a 82% do total de hidrocarbonetos. Os testes agudos realizados com o óleo leve obtiveram CL50 (48 h) estimada em 0,171 µg L-1 para o total de HPAs, e 0,55 mg L-1 para TPH. Os valores de CL50 para Aratus pisonii foram consistentes com outros estudos de toxicidade aguda com petróleos similares em outros crustáceos. O presente estudo determinou que a FAA de um petróleo leve é capaz de causar toxicidade aguda às larvas desta espécie. Os naftalenos demonstraram ser os principais compostos responsáveis por tal toxicidade, juntamente com a elevada concentração de n-alcanos. Além disso, foi possível constatar que A. pisonii apresenta grande viabilidade como organismo teste.

Acesso à informação
Transparência Pública

© 2013 Universidade Federal do Espírito Santo. Todos os direitos reservados.
Av. Fernando Ferrari, 514 - Goiabeiras, Vitória - ES | CEP 29075-910