RESISTÊNCIA DO MATERIAL LITOLÓGICO NA DETERMINAÇÃO DA MORFOLOGIA E DOS PROCESSOS EROSIVOS NAS FALÉSIAS COSTEIRAS EM MAIMBÁ-ES

Nome: Pedro Henrique Nascimento Brandão
Tipo: Dissertação de mestrado acadêmico
Data de publicação: 20/07/2021
Orientador:

Nomeordem decrescente Papel
Jacqueline Albino Orientador

Banca:

Nomeordem decrescente Papel
Fabian Sá Suplente Interno
Jacqueline Albino Orientador
Leonardo Azevedo Klumb Oliveira Examinador Externo
Patrício José Moreira Pires Examinador Externo

Resumo: A presente dissertação teve como objetivo determinar os fatores envolvidos na erosão subaérea de falésias localizadas ao longo da praia de Maimbá, região costeira centro-sul do Espírito Santo e relacionar estes processos à forma e susceptibilidade erosiva das feições. Neste sentido foi destacada a resistência litológica das fácies, os movimentos gravitacionais de massa e o uso da terra, fatores que aceleraram os processos erosivos costeiros. Através de descrições em campo, levantamento aerocartográfico por meio de imagens de alta resolução de veículo aéreo não tripulado (VANT) e ensaios laboratoriais, foram gerados produtos cartográficos como mapas de localização, de movimentos gravitacionais de massa e uso da terra, perfis litológicos e morfológicos das falésias em ambiente SIG. Os ensaios laboratoriais foram utilizados para corroborar as observações em campo e envolveram características físicas texturais, de densidade, permeabilidade, umidade, limites de liquidez e plasticidade, mecânicos de resistência a compressão simples e cisalhamento direto, e químico com ensaio de difratometria de raio-x (DRX). As falésias costeiras pertencem a Formação Barreiras e apresentam correlação lateral de fácies em Maimbá-ES, com texturas maciças, composições, espessuras e direções semelhantes. Apresentam 4 fácies, com aumento da permeabilidade e diminuição da resistência litológica da base, que possui maior teor de lama e caolinita, em direção ao topo da sequência sedimentar, resultando na mudança do perfil morfológico das falésias. Os movimentos gravitacionais de massa estão associados as falésias mais altas, ocorrendo principalmente nas fácies superiores, e preservando os depósitos de blocos nas porções de praia protegidas das ondas. Do setor sul para o norte da praia de Maimbá, foi verificado aumento da erosão costeira estabelecido pelo conjunto de fatores do meio físico das falésias e características de resistência litológica do material aflorante. No setor sul foi diagnosticado o menor risco à erosão costeira apesar da falésia possuir 17,5m de altura. Sua declividade é considerada baixa, variando entre 45º e 70º, possui perfil morfológico côncavo indicando erosão subaérea maior que erosão marinha, estrada adjacente espessa e faixa de areia na praia adjacente com espessura variando entre 30m - 50m, suficiente para proporcionar maior proteção ao ataque direto de ondas. O setor central possui a falésia com menor altura, 13m, declividade entre 45º e 90º, perfil variando entre os formatos côncavo, retilíneo e convexo indicando erosão subaérea igual a marinha, e faixa de areia com espessura de 15m, havendo um risco à erosão intermediário em relação as demais falésias estudadas. O setor norte possui maior risco à erosão costeira, com a falésia medindo 18m de altura, declividade variando entre 60º e 90º, perfil retilíneo e convexo indicando erosão marinha maior que a subaérea, grande quantidade de movimentos gravitacionais de massa, estrada adjacente com evidências de rupturas planares e circulares, e faixa de areia estreita variando de 10m a 20m, não suportando o espraiamento das ondas e proporcionando um ataque direto a falésia. Essa combinação de fatores define o setor norte da praia de Maimbá-ES como maior risco à erosão costeira.

Acesso ao documento

Acesso à informação
Transparência Pública

© 2013 Universidade Federal do Espírito Santo. Todos os direitos reservados.
Av. Fernando Ferrari, 514 - Goiabeiras, Vitória - ES | CEP 29075-910