O IMPACTO DO ROMPIMENTO DA BARRAGEM DE REJEITOS DE FUNDÃO (MG) NO DEPÓSITO SEDIMENTAR DA FOZ DO RIO DOCE (ES)

Nome: Ludmila Fava Zogheib
Tipo: Dissertação de mestrado acadêmico
Data de publicação: 03/03/2020
Orientador:

Nomeordem decrescente Papel
Alex Cardoso Bastos Orientador

Banca:

Nomeordem decrescente Papel
Alex Cardoso Bastos Orientador
CAIO VINICIUS GABRIG TURBAY Examinador Externo
Fabian Sá Examinador Interno

Resumo: A plataforma continental adjacente ao Rio Doce recebeu um grande aporte de rejeito de minério de ferro em novembro de 2015, com característica mineralógica e sedimentar bem distintas da esperada para a região, afetando assim o comportamento do regime hidrológico e sedimentar. Sendo assim o objetivo dessa pesquisa é investigar o efeito do aporte deste material de rejeito na granulometria do depósito sedimentar na plataforma interna adjacente à foz do Rio Doce e na dinâmica de dispersão do sedimento, comparando diferentes momentos antes e depois do evento de rompimento da barragem, tanto ao sul, quanto ao norte da foz do rio. A metodologia é desenvolvida a partir de um banco de dados de amostras de sedimento superficiais de fundo coletadas desde 2013 até 2017, investigando através de analise granulométrica e forçantes meteoceanográficas a variação temporal e espacial destes, com enfoque em sedimentos finos. Para tal, é utilizado os teores em porcentagem, D50, máximo e mínimo das granulometrias de sedimento fino e gráficos de box-plot para a compreensão da variabilidade temporal. Maio e outubro de 2013 tem os D50 tanto para norte quanto para sul da foz na granulometria silte fino, já julho de 2013 e janeiro de 2014 o D50 é representado por silte médio no setor norte e silte fino no setor sul. Dezembro de 2015 é a campanha que representa a chegada do rejeito na foz do Rio Doce, e o D50 para norte e sul é de argila grossa e silte muito fino respectivamente. Fevereiro de 2016 tem o setor norte representado pelo D50 na granulometria silte fino e o sul com D50 calculado silte muito fino, dezembro de 2016 silte médio e silte fino na devida ordem e abril de 2017 com o D50 de ambos setores sendo silte muito fino. Os gráficos de variação temporal para teor de lama apesar de mostrarem grande variação entre as campanhas não evidencia tendência ou padrão, já os gráficos de teor de argila e D50 mostram de forma clara que a chegada do rejeito, aumentando a quantidade de argila e diminuindo o D50 dos meses estudados. O aporte de minério na região costeira e marinha alterou o tamanho das partículas do fundo marinho e consequentemente sua dinâmica sedimentar, uma vez que o comportamento de resuspensão e transporte está diretamente ligado ao tamanho da partícula. Destaca-se ainda a importância de um maior detalhamento das forçantes físicas visto que essas estão também diretamente relacionadas à dinâmica do fundo marinho. A mudança no tamanho, composição e comportamento das partículas é evidente e acarreta uma série de mudanças no ambiente, com maior tempo de permanência na coluna d’agua, maior potencial de resuspensão e disponibilidade ao ambiente afetando diretamente os habitats ali existentes.

Acesso ao documento

Acesso à informação
Transparência Pública

© 2013 Universidade Federal do Espírito Santo. Todos os direitos reservados.
Av. Fernando Ferrari, 514 - Goiabeiras, Vitória - ES | CEP 29075-910