Efeito da Frequência Alimentar no Crescimento de Tainhas Mugil Liza

Nome: Halysson Pena Ribeiro
Tipo: Dissertação de mestrado acadêmico
Data de publicação: 13/09/2017
Orientador:

Nome Papelordem crescente
Maurício Hostim Silva Orientador

Banca:

Nome Papelordem crescente
Maurício Hostim Silva Orientador
Luiz Fernando Loureiro Fernandes Examinador Interno
Eduardo Gomes Sanches Examinador Externo

Resumo: A família Mugilidae possui ampla distribuição geográfica, sendo encontrada em águas tropicais e subtropicais de todo o mundo, principalmente em regiões costeiras. É um recurso pesqueiro importante, sendo responsável pela sustentabilidade de inúmeras famílias ao longo do litoral brasileiro. Como são peixes eurialinos podem habitar águas doces, salobras ou salgadas. No comportamento alimentar, uma das características importantes deste grupo de peixes é a sua capacidade de ter uma alimentação diversificada, sendo considerados detritívoros, herbívoros e onívoros, dependendo da fase do ciclo de vida e da biodiversidade na cadeia trófica do ambiente em que vivem. Este estudo tem como objetivo avaliar o desempenho zootécnico das tainhas Mugil liza em condições de cultivo em salinidade marinha, utilizando diferentes frequências alimentares. Serão três tratamentos em triplicata na densidade populacional de 0,25 peixe/L, com 30 peixes por tanque. Os tratamentos serão: Tratamento 1, alimentação uma vez ao dia (às 8:00 horas); Tratamento 2, alimentação duas vezes ao dia (às 8:00 e as 16:00 horas); Tratamento 3, alimentação quatro vezes ao dia (às 8:00, 11:00, 14:00 e 17:00 horas). Serão avaliados ganho de biomassa, taxa de crescimento especifico, sobrevivência, fator de condição, e Biomassa total. Ao final do experimento serão analisados o teor de ácidos graxos dos alimentos e dos peixes nos diferentes tratamentos.

Acesso ao documento

Acesso à informação
Transparência Pública

© 2013 Universidade Federal do Espírito Santo. Todos os direitos reservados.
Av. Fernando Ferrari, 514 - Goiabeiras, Vitória - ES | CEP 29075-910