Caracterização Ambiental da Bacia do Espírito Santo e porção norte da Bacia de Campos (Sistema Pelágico e Físico-Química da Água e Sedimentos)

Resumo: O ambiente pelágico abriga uma grande diversidade de organismos que vai desde as pequenas bactérias até os grandes mamíferos como as baleias. A complexa estrutura envolvendo estas diferentes comunidades biológicas e o ambiente abiótico é, ainda, pouco conhecida, especialmente em regiões oceânicas.
A Bacia do Espírito Santo e porção norte da Bacia de Campos são lugares pouco estudados, mas que vem apresentando resultados relevantes quanto a sua diversidade biológica e estrutura ambiental. Seus ambientes nerítico e oceânico servem como berçário para uma gama variada de espécies, além de ser um dos principais locais de nidificação de aves marinhas da costa brasileira, de rotas de baleias, de desova e migração de tartarugas, contando ainda com a presença de algas calcarias e bancos de laminarias, incluindo a porção sul do Banco de Abrolhos. Tudo isto eleva a região da Bacia do Espírito Santo e porção norte da Bacia de Campos à áreas de relevante importância biológica, econômica e social.

A avaliação do ambiente pelagial da Bacia do Espírito Santo e porção norte da Bacia de Campos é de extrema importância, especialmente com relação à base da cadeia alimentar marinha e seus processos. O conhecimento sobre as bactérias, fitoplâncton, zooplâncton e ictioplâncton, que sustentam os diversos níveis tróficos marinhos, pode levar a solução de problemas com relação à pesca, impactos antrópicos, processos produtivos nos diferentes níveis como na avaliação de biomassa, caracterizando, assim, o sistema pelágico da Bacia do Espírito Santo e porção norte da Bacia de Campos para ações futuras de monitoramento. Além dos dados biológicos, os dados físico-químicos são extremamente necessários à compreensão dos diferentes ambientes presentes na plataforma e talude da Bacia do Espírito Santo e porção norte da Bacia de Campos, permitindo a diferenciação das diferentes massas d’água e suas características bem como a sua interação com os diferentes sistemas. Esta interação facilita a elaboração de um modelo ecossistêmico para compreensão da dinâmica ecológica desta região de forma a contribuir para a gestão ambiental das atividades de E&P na região.

Data de início: 2012-08-01
Prazo (meses): 24

Participantes:

Papelordem decrescente Nome
Coordenador Luiz Fernando Loureiro Fernandes
Pesquisador Camilo Dias Júnior
Pesquisador Gilberto Fonseca Barroso
Pesquisador Renato Rodrigues Neto
Acesso à informação
Transparência Pública

© 2013 Universidade Federal do Espírito Santo. Todos os direitos reservados.
Av. Fernando Ferrari, 514 - Goiabeiras, Vitória - ES | CEP 29075-910