MANUTENÇÃO do Banco de Plântulas em Diferentes
bosques de Mangue na Foz do Rio Itaúnas, Conceição Da
barra, Espírito Santo, Brasil

Nome: Karen Otoni de Oliveira Lima
Tipo: Dissertação de mestrado acadêmico
Data de publicação: 14/04/2014
Orientador:

Nomeordem decrescente Papel
Mônica Maria Pereira Tognella Orientador

Banca:

Nomeordem decrescente Papel
Luiz Fernando Loureiro Fernandes Examinador Interno
Mônica Maria Pereira Tognella Orientador
Simone Rabelo da Cunha Examinador Externo

Resumo: Os manguezais apresentam distribuição global dentro das regiões de climas tropicais e subtropicais, provendo uma série de bens e serviços ambientais e sócio-econômicos. Os impactos causados pela população humana e, mais recentemente, as alterações que serão provocadas pelas mudanças globais são de extremo interesse para a comunidade científica. Frente a esta perspectiva futura, entender as características ecológicas do estabelecimento e manutenção das plântulas de mangue torna-se necessário, uma vez que as energias subsidiárias que atuam sobre este sistema ocorrem em diferentes escalas espaciais e temporais. Com isto requerem estudos em longo prazo onde processos importantes seriam mascarados por ocorrerem lentamente, sendo assim, quando séries temporais de análises ecológicas são ampliadas em programas científicos, os processos de desenvolvimento se tornam mais explícitos. O presente estudo foi desenvolvido no manguezal da foz do rio Itaúnas, Parque Estadual de Itaúnas no município de Conceição da Barra, Espírito Santo, no qual três parcelas foram demarcadas em janeiro de 2008 juntamente com a coleta de dados de estrutura. O monitoramento ocorre desde então, com o acompanhamento mensal da densidade de plântulas, coleta da salinidade, temperatura e precipitação. A análise integrada da série temporal de dados populacionais está sendo realizada para determinar quais períodos ocorrem maior mortalidade e o ingresso das plântulas. Posteriormente, correlacionamos estes dados estruturais com os fatores ambientais interpretando quais influenciam na dinâmica. Nas análises realizadas, observamos que cada coorte apresenta diferença na densidade de ingresso, sobrevivência e mortalidade das plântulas, podendo ser relacionado principalmente com o acúmulo de precipitação antes dos períodos de produção de flores e frutos do bosque. Também interpretamos que fatores intrínsecos às espécies regulam o estabelecimento e a viabilidade das plântulas. Essa série de dados contribuíram para determinação dos padrões de ingresso e de sobrevivência das diferentes espécies estudadas, permitindo diagnóstico ecológico para os bosques de mangue no litoral capixaba. O reconhecimento dos processos que prevalecem em cada bosque de mangue estudado é fundamental para conhecer o desenvolvimento dos mesmos, sendo ações adequadas para conservação e manejo.

Acesso à informação
Transparência Pública

© 2013 Universidade Federal do Espírito Santo. Todos os direitos reservados.
Av. Fernando Ferrari, 514 - Goiabeiras, Vitória - ES | CEP 29075-910