Caracterização da Circulação e Balanço do Material Particulado em Suspensão (mps) na Desembocadura da Baía de Vitória/es

Nome: Flávia Acypreste Alfredo Garonce
Tipo: Dissertação de mestrado acadêmico
Data de publicação: 28/03/2012
Orientador:

Nomeordem decrescente Papel
Valéria da Silva Quaresma Orientador

Banca:

Nomeordem decrescente Papel
Josefa Varela Guerra Examinador Externo
Renato David Ghisolfi Examinador Interno
Valéria da Silva Quaresma Orientador

Resumo: Entender a dinâmica estuarina é uma tarefa extremamente árdua devido às inúmeras variáveis que podem influenciar o sistema, tais como maré, vazão fluvial, vento, morfologia, entre outros. Porém, estudos desse tipo fazem-se necessário devido à grande utilização deste ambiente, para navegação, criação de portos, pesca, turismo, e uma gama de bens e serviços que o mesmo fornece. Sendo assim, o presente estudo visou colaborar para o conhecimento da hidrodinâmica e fluxos de propriedades (MPS e sal) na desembocadura do estuário da baía de Vitoria. Para isso foram feitas medidas em quatro ciclos de maré, sendo dois nos momentos de sizígia e dois na quadratura, com variações sazonais entre verão (período chuvoso) e inverno (período seco), de salinidade e temperatura com um CTD (OBS 3A) e correntes com um ADCP (River Surveyor). Para a análise do MPS foram feitas coletas de água que foram filtradas para obtenção das concentrações do mesmo. A partir das análises, esta seção do estuário foi classificada de acordo com o diagrama de Hansen e Hattray (1966) como do tipo 1a nos momentos de sizígia e 2a no período de quadratura seco e 2b na quadratura chuvoso. Isso corrobora com o que foi encontrado para o número de Richardson em camada onde, os maiores valores foram encontrados no período de quadratura chuvoso, já que foi o ciclo que apresentou maior estratificação. Embora houvesse uma variação entre o período seco e chuvoso, a maré foi a variável que mais controlou os processos hidrodinâmicos no estuário. Com relação aos fluxos de sal e MPS, houve uma predominância de importação, com exceção do ciclo de sizígia chuvoso que exportou MPS. Além disso, a dinâmica do material em suspensão apresentou-se de modo não conservativo, não apresentando correlação com as correntes, já que processos de defasagens (lags) interferem no seu transporte, isso pode ser verificado devido ao residual das correntes de maré (assimetria da maré) ser principalmente em direção ao mar. Além disso, foi percebido que a maré foi a mais atuante na disponibilização através da ressuspensão do fundo, além do processo do bombeamento da maré (tidal pumping) que possibilitou o transporte para dentro do estuário.

Acesso ao documento

Acesso à informação
Transparência Pública

© 2013 Universidade Federal do Espírito Santo. Todos os direitos reservados.
Av. Fernando Ferrari, 514 - Goiabeiras, Vitória - ES | CEP 29075-910