Hidrodinâmica e Transporte do Material Particulado em Suspensão na Desembocadura do Sistema Estuarino Piraquê-açu e Piraquê-mirim, Aracruz - ES

Nome: Amine Selim de Salles Gonçalves Melado
Tipo: Dissertação de mestrado acadêmico
Data de publicação: 02/12/2011
Orientador:

Nomeordem decrescente Papel
Valéria da Silva Quaresma Orientador

Banca:

Nomeordem decrescente Papel
Alex Cardoso Bastos Examinador Interno
José Antônio Baptista Neto Examinador Externo
Valéria da Silva Quaresma Orientador

Resumo: O objetivo deste estudo é analisar as características hidrodinâmicas e o transporte do material particulado em suspensão (MPS), na desembocadura do Sistema Estuarino do Piraquê-açú e Piraquê-mirim, sob diferentes condições de maré e aporte fluvial. Foram realizadas quatro campanhas hidrográficas durante ciclos completos de maré, sendo em condições de maré de sizígia e quadratura, e durante os períodos seco (23 de fevereiro e 01 de março de 2010) e chuvoso (20 e 26 de julho de 2010). Ressalta-se que o ano de 2010 foi um ano atípico, onde o período de fevereiro e março apresentou uma estação seca e o de julho uma estação chuvosa, invertendo o padrão normal para a área. Dados de salinidade, temperatura e concentração de MPS foram obtidos através de perfilagens ao longo da coluna dágua em três pontos amostrais; e a direção e a intensidade das correntes foram adquiridas por perfis transversais à desembocadura. A maré foi caracterizada como micromaré, com variações menores que 2 m em todos os períodos amostrais. As correntes mais intensas foram observadas durante a maré vazante nas campanhas de maré de sizígia, inferindo condições de assimetria de maré vazante. A maior intensidade das correntes foi observada no período seco da maré de sizígia (máximo de 1,75 ms-1), principalmente ao longo da margem norte do canal, influenciadas pela heterogeneidade da topografia de fundo. Principalmente na quadratura, foi observada a formação de vórtices ao longo da coluna dágua, resultado da deflexão das correntes, inferindo a formação de um fluxo transversal à desembocadura. As concentrações de MPS tenderam a ser baixas (geralmente < 300 mg/l), entretanto, as maiores concentrações foram verificadas durante o período seco da maré de sizígia, quando as correntes mais fortes de vazante e enchente permitiram a maior erosão e manutenção do material particulado em suspensão. Em ambos os períodos da maré de quadratura, pode ser observada uma estratificação de densidade, devido à constante presença da cunha salina junto ao fundo. Nos períodos da maré de sizígia, a área de estudo tendeu a apresentar mistura vertical de toda a coluna dágua em decorrência das correntes de maré mais intensas. Pelo Diagrama Estratificação-Circulação, a desembocadura foi classificada como bem misturada com fraca estratificação durante a quadratura, e como parcialmente misturada com fraca estratificação na maré de sizígia. Dessa forma, há um domínio da difusão turbulenta sobre a circulação gravitacional (advecção). Os fluxos residuais de sal e MPS tenderam a ser direcionados para o continente. Entretanto, durante o período chuvoso de quadratura, devido à maior influência da incursão da cunha salina, foi observada a importação de sal e MPS. Quanto aos fluxos instantâneos, estes foram fortemente condicionados pela intensidade da erosão e pelos mecanismos que mantêm os sedimentos em suspensão. A hidrografia e o balanço sedimentar são principalmente modulados pela altura e a incursão da cunha salina, principalmente nos períodos da maré de quadratura.

Acesso à informação
Transparência Pública

© 2013 Universidade Federal do Espírito Santo. Todos os direitos reservados.
Av. Fernando Ferrari, 514 - Goiabeiras, Vitória - ES | CEP 29075-910