IDADE e Crescimento da Tartaruga Verde, Chelonia Mydas,
no Litoral do Espírito Santo, Brasil

Nome: Jonathas da Silva Barreto
Tipo: Dissertação de mestrado acadêmico
Data de publicação: 05/09/2017
Orientador:

Nomeordem decrescente Papel
Jean-Christophe Joyeux Orientador
Robson Guimarães dos Santos Co-orientador

Banca:

Nomeordem decrescente Papel
Jean-Christophe Joyeux Orientador
Robson Guimarães dos Santos Coorientador

Resumo: A tartaruga verde, Chelonia mydas, assim como as demais espécies de tartarugas marinhas é migratória e faz uso de uma grande variedade de hábitats e localidades distantes durante o seu ciclo de vida, desde os trópicos até as zonas temperadas. As suas áreas de alimentação encontram-se largamente distribuídas ao longo das regiões litorâneas, sendo a espécie de tartaruga marinha que apresenta hábitos mais costeiros, utilizando inclusive estuários de rios e lagos. As tartarugas marinhas podem levar mais de uma década para atingir a maturidade sexual e a verde, em especial, exibe uma taxa de crescimento particularmente lenta e uma maturidade tardia, devido a sua dieta herbívora, sendo possivelmente a espécie que necessita de mais tempo para alcançar a maturidade sexual. Determinar a idade de um indivíduo é importante para o desenvolvimento de planos de conservação para as espécies de tartarugas marinhas, já que este é um dos elementos que influenciam a dinâmica populacional, além de ser informação é essencial para o cálculo de taxas de crescimento naturais e idade de maturação sexual. Estas estimativas são comumente realizadas através de trabalhos de marcação-recaptura, o que exige um trabalho intensivo de campo de longa duração e, consequentemente, os resultados aparecem em longo prazo. A falta de dados referentes à idade e as dificuldades logísticas para a obtenção de taxas de crescimento foram recentemente contornadas com o uso da esqueletocronologia, a qual permite estimar a idade das tartarugas através da contagem das linhas de crescimento formadas nos úmeros, possibilitando resultados com maior precisão e rapidez. Entretanto, poucos trabalhos foram realizados com a espécie até o momento, sendo o presente trabalho, o primeiro trabalho conduzido no Atlântico Sul. Portanto, estimar a idade e taxa de crescimento das tartarugas verdes encontradas ao longo do litoral do Espírito Santo, é uma pesquisa considerada prioritária para o grupo, já que existe uma lacuna de conhecimento nesta área e as respostas deste trabalho pode auxiliar nas estratégias de manejo desta espécie, que hoje está ameaçada de extinção.

Acesso ao documento

Acesso à informação
Transparência Pública

© 2013 Universidade Federal do Espírito Santo. Todos os direitos reservados.
Av. Fernando Ferrari, 514 - Goiabeiras, Vitória - ES | CEP 29075-910