Evolução Sedimentar Recente ao Longo de uma Plataforma Continental Contrastante de Sedimentação

Nome: Alex Evaristo da Silva
Tipo: Tese de doutorado
Data de publicação: 05/04/2017
Orientador:

Nomeordem decrescente Papel
Alex Cardoso Bastos Orientador

Banca:

Nomeordem decrescente Papel
Alex Cardoso Bastos Orientador
Antonio Tadeu dos Reis Examinador Externo
Cleverson Guizan Silva Examinador Externo
Jacqueline Albino Examinador Interno
Valéria da Silva Quaresma Examinador Interno

Resumo: Considerando que os depósitos sedimentares na plataforma continental são resultado de uma ampla variedade de fatores, como variações do nível do mar, suprimento sedimentar, paleotopografia, subsidência, entre outros; estudos que retratem a evolução de plataformas continentais contrastantes ao longo de um trecho costeiro contínuo podem permitir a melhor compreensão de como estes fatores influenciam a distribuição dos sedimentos ao longo de ciclos de variação do nível do mar. Desta forma, esta Tese busca compreender a evolução recente e a distribuição dos depósitos sedimentares em uma plataforma continental que apresenta distinção entre suprimento e dispersão sedimentar através de levantamento sísmico e testemunhos. Foram adquiridos 485 km de registro sísmico e 7 testemunhos por meio de piston core ao longo da plataforma continental centro-norte do Espírito Santo. A análise estratigráfica aponta a presença de três grandes domínios que retratam o processo da última exposição da plataforma e a inundação subsequente. Na porção sul, as seções sísmicas junto com a morfologia atual evidenciam o caráter meandrante do sistema de vales incisos largamente difundidos sobre a plataforma continental durante o último máximo glacial. Rumo ao norte, fora do domínio dos vales incisos, a superfície de exposição passa a ter caráter erosivo até a isóbata de 45 m e grandes incisões fluviais estão ausentes. Na plataforma externa após a isóbata de 45 m e entre os paleocanais ao sul, o caráter erosivo da exposição se apresenta mais regular e suave de alta amplitude sofrendo truncamento apenas na região de incisão fluvial. O preenchimento sedimentar da plataforma após a última inundação aponta para três regimes de sedimentação majoritários: Suprimento, Acomodação e Sedimentação Carbonática. Em termos de deposição holocênica, os testemunhos apresentam heterogeneidades marcantes ao longo da sua descrição e revelam processos sedimentares distintos pós-último máximo glacial. A porção sul da plataforma é recentemente dominada por sedimentos lamosos cascalhosos carbonáticos, enquanto a porção norte é dominada por areia lamosa ou lama arenosa predominantemente terrígena. De fato, plataformas continentais são sistemas altamente complexos e seus depósitos são formados sobre combinações específicas de hidrodinâmica, fisiografia e fonte sedimentar, que permitem a reconstrução paleoambiental do clima e das mudanças oceanográficas. A plataforma continental estudada aponta para uma boa preservação do depósito pós-último máximo glacial por conta da preservação dos vales incisos ao sul e a espessura considerável do pacote lamoso moderno do Rio Doce.

Acesso ao documento

Transparência Pública
Acesso à informação

© 2013 Universidade Federal do Espírito Santo. Todos os direitos reservados.
Av. Fernando Ferrari, 514 - Goiabeiras, Vitória - ES | CEP 29075-910