BIVALVES FILTRADORES E A REGULAÇÃO DA EUTROFIZAÇÃO ESTUARINA – BIOFILTRAÇÃO POR CRASSOSTREA RHIZOPHORAE DA SEÇÃO NORTE DO SISTEMA ESTUARINO DA BAÍA DE VITORIA - ES, BRASIL

Nome: Thayana de Alencar Leite
Tipo: Tese de doutorado
Data de publicação: 07/05/2018
Orientador:

Nomeordem decrescente Papel
Gilberto Fonseca Barroso Orientador

Banca:

Nomeordem decrescente Papel
Gilberto Fonseca Barroso Orientador
Karla Gonçalves da Costa Examinador Externo
Luiz Fernando Loureiro Fernandes Examinador Interno
Mônica Maria Pereira Tognella Examinador Interno
Taciana Kramer de Oliveira Pinto Examinador Externo

Resumo: A ostra de mangue (Crassostrea rhizophorae) é uma espécie importante para regulação da eutrofização de ecossistemas estuarinos tropicais, por meio da capacidade de filtração do séston ao qual está exposta, através da ingestão preferencial de partículas nanofitoplanctônicas. A biofiltração pode ser medida através da taxa de clareamento (TC), isto é, volume de água que é filtrada por unidade de tempo, podendo ser aplicada a partir de vários métodos, com destaque para os métodos de biodepósitos in situ (TCbd) e de fluxo contínuo em laboratório (TCfc). A eficácia da biofiltração de C. rhizophorae depende principalmente da disponibilidade do séston orgânico, bem como da biofísica às condições ambientais (e.g., salinidade). Nesse contexto, o objetivo da tese foi analisar o serviço ecossitêmico, fornecido por C. rhizophorae, de regulação da eutrofização (i.e., remoção de séston orgânico) na Seção Norte do Sistema Estuarino da baía de Vitoria – SNSEBV. A SNSEBV abrange uma área e volume de 10km2 e 2,5x107 m3, respectivamente, cuja profundidade média é inferior a 3 m. Na SNSEBV, o tempo de residência médio é de 35 dias, sob uma condição média euhalina e parcialmente estratificada, com concentrações do séston, total e orgânico, em média de 14,9 e 15,8 mg.L-1, respectivamente. Nesse cenário, a TCbd de C. rhizophorae é de 1,56 L.g-1.h-1. A TCbd por biomassa de C. rhizophorae existente no manguezal da SNSEBV (3,77x105 kg.km-2) é de 7,07x106 m3.kg-1.dia-1, correspondendo uma regulação diária de 28% do volume estuarino. O valor econômico atribuído à remoção do séston orgânico da SNSEBV por C. rhizophorae, conversão de clorofila-a em nitrogênio, é US$ 43,63 kg.ha-1.ano-1. O valor econômico do serviço ecossistêmico de regulação da eutrofização pode atuar como justificativa monetária na gestão ambiental para conservação dos recursos naturais. Destaca-se a importância ecológica de C. rhizophorae e as necessidades para garantir a eficácia do serviço de regulação da eutrofização estuarina sem custo.

Acesso ao documento

Transparência Pública
Acesso à informação

© 2013 Universidade Federal do Espírito Santo. Todos os direitos reservados.
Av. Fernando Ferrari, 514 - Goiabeiras, Vitória - ES | CEP 29075-910