Grupos e núcleos de pesquisa

Nesta página você pode conferir uma breve descrição sobre os Grupos e Núcleos de Pesquise em que alguns Docentes do PPGOAm são responsáveis ou coordenadores.

Foto   Maurício Hostim Silva                                                             

2018 :Atual Revisão da Lista de Espécies Ameaçadas de Extinção do Espírito Santo

Descrição: A cada dia que se passa as coleções biológicas ficam mais disponíveis para o público em
meios digitais e esse conjunto de informações é uma das principais ferramentas para diversas formas de
se avaliar a biodiversidade no espaço. A avaliação do grau de ameaça de espécies de animais e/ou
plantas é uma dessas análises baseada nos acervos biológicos existentes para uma determinada região e
no conhecimento dos impactos em que as espécies estejam submetidas. Essa análise produz listas de
espécies ameaçadas para uma determinada área, que por sua natureza dinâmica deverá ser atualizada
de tempos em tempos, para que mantenham seu caráter de documento de política pública atualizado.
Essas listagens em todo o mundo representam um documento político para tomadas de decisão baseado
no conhecimento científico sobre a biodiversidade. Em virtude desse aumento na disponibilização das
informações dos acervos biológicos com representatividade da biota capixaba, bem como um maior
conhecimento sobre os impactos atuantes sobre as espécies ameaçadas, tais como o rompimento da
barragem de rejeitos de mineração em Mariana/MG que afetou toda a biota do Rio Doce, e a febre
amarela silvestre que atingiu populações de diversas espécies de primatas, é urgente que a lista da fauna
e flora ameaçada de extinção no Espírito Santo seja revista. Assim, trabalhar as informações de
ocorrência das espécies e os impactos em um mapeamento atualizado, possibilitará produzir uma nova
lista de espécies candidatas mais condizentes com as realidades biológicas e antrópicas do estado. Após
esse trabalho básico, a ser realizado pelos bolsistas contratados pelo projeto, serão convidados
especialistas nacionais e internacionais, de diferentes grupos taxonômicos e diferentes especialidades,
para realizar a avaliação de risco das espécies candidatas de forma virtual. Posteriormente, parte dos
especialistas que participaram da consulta ampla participará de um Workshop presencial a fim de validar
os graus de ameaça para todas as espécies que foram incluídas na consulta ampla nos diferentes graus
de ameaça (Vulnerável, Em Perigo e Criticamente em Perigo). O resultado desse trabalho será publicado
em um decreto do governo do estado do Espírito Santo, além de gerar uma base de dados robusta sobre
a ocorrência de espécies no estado, e um livro de divulgação científica a ser lançado ao final do projeto.
 
2016 - Atual: Distribuição e estrutura das comunidades de peixes recifais e identificação de agregações reprodutivas no Espirito Santo
 
Descrição: Os recifes de corais estão, atualmente, entre os ecossistemas mais ameaçados do planeta.
Sobre-explotacao de seus recursos vivos, como a pesca e a coleta de peixes para aquariofilia, mudanças
climáticas e a poluição dos oceanos, são ações humanas que agem de forma sinergética alterando a
resiliência desse ecossistema, um dos mais produtivos do planeta. Associado aos impactos mencionados,
observa-se que alguns aspectos sobre a biologia e história de vida de muitas das espécies de peixes que
vivem associados aos sistemas recifais (como é o caso dos epinephelídeos e lutjanídeos) os tornam
extremamente suscetíveis à pesca. Esse fato se deve a que estas espécies se reproduzem formando
grandes agregações, que são previsíveis no tempo e no espaço, o que as torna extremamente
vulneráveis a captura. Compreender a dinâmica pesqueira e seu esforço sobre espécies-alvos é
necessário para a criação de formas adequadas de manejo e gestão dos espaços e uso de recursos
marinhos vivos. Neste aspecto, determinar a ocorrência e o uso de hábitat por estas espécies, assim
como predizer hábitats adequados para o desenvolvimento dos distintos estágios de vida das espécies de
peixes recifais (assim como locais das agregações reprodutivas) é fundamental para planejar as medidas
de gestão espacial da zona costeira. A implantação de áreas marinhas protegidas, ou, unidades de
conservação, é uma das ferramentas de gestão pesqueira mais bem-sucedidas no mundo, que
contribuem para mitigar os efeitos deletérios das ações antrópicas humanas e fortalecer a pesca
sustentável. A presente proposta objetiva determinar, a partir de modelos ambientais, as áreas prioritárias
para a conservação ao longo da costa capixaba no que tange as espécies de peixes recifais de interesse
econômico, tanto espécies alvo da pesca quanto espécies capturadas para atender ao crescente mercado
de aquariofilia. Para tal, serão coletados dados provenientes do censo visual subaquático e
videotransectos que alimentarão um banco de dados geoespacializado para caracterização e modelagem
dos habitats recifais ocorrentes na área de estudo. Adicionalmente, e usando a mesma metodologia
descrita, identificaremos os locais de agregações reprodutivas que, apoiados por dados biológicos e de
esforço pesqueiro, embasarão a criação de modelos preditivos para determinação da probabilidade de
ocorrência das agregações nos habitats mais adequados na costa do estado. Finalmente, baseados nos
dados levantados e modelos construídos, além de já estarmos munidos de dados pretéritos de esforço
pesqueiro na região, seremos capazes de construir mapas georreferenciados, a escala de 1:50000, dos
diversos setores do estado do Espírito Santo, evidenciando áreas prioritárias para sua conservação,
contribuindo desta forma para uma gestão espacial adequada dos recursos vivos marinhos do estado,
através de um manejo baseado no ecossistema. EDITAL FAPES/SEAMA Nº 02/2016 - PPE-GERENCIAMENTO COSTEIRO
 
 
2015 - Atual: PEIXES DO ESTUÁRIO DO RIO SÃO MATEUS (ES): PESQUISA E CONSERVAÇÃO
 
Descrição: As assembleias de peixes associadas a ambientes estuarinos são potencialmente impactadas
por muitas ações antropogênicas que podem ter uma influência direta nos recursos alimentares,
distribuição, diversidade, reprodução, abundância, crescimento, sobrevivência e comportamento. O
objetivo geral deste estudo é descrever as variações espaço-temporais na estrutura e composição da
assembleia de peixes do estuário do rio São Mateus, Espirito Santo. Para tanto, pretende-se responder às
seguintes questões: Como as assembleias de peixes do estuário do rio São Mateus utilizam a áreas
demersais? Existe um padrão de ocupação destas áreas, no que diz respeito a distribuição da
composição, biomassa e densidade? Quais variáveis ambientais influenciam tais movimentos? Espécies
residentes e visitantes são influenciadas pelo mesmo fator? Quais são os padrões de recrutamento dos
peixes visitantes e residentes nas áreas demersais? Para isto serão realizadas amostras de ictiofauna a
cada mês durante 2 anos com uma rede de arrasto, além da obtenção de dados de variáveis ambientais.
Os peixes serão identificados, sexados, medidos e espécies mais abundantes escolhidas para estudos de
alimentação. As relações entre as comunidades ictiofaunísticas e impactos humanos nos estuários
reforçam a escolha deste grupo taxonômico como prioridade neste trabalho e poderá auxiliar na
formulação de propostas que visem a qualidade.
 
 
2007 - Atual :Projeto Meros do Brasil: Pesquisa e Conservação
 
Descrição: m 2007, atingindo quatro Pontos Focais no país, o Projeto Meros do Brasil foi contemplado
com o patrocínio da Petrobras, por meio do Programa Petrobras Ambiental. Um incentivo que alavancou e
vem ampliando as pesquisas e não somente sobre a conservação do mero, mas também dos ambientes
marinho-costeiros associados como manguezais, recifes de corais e costões rochosos. O patrocínio da
Petrobras possibilita a sistematização e aprofundamento dos estudos, envolvendo as comunidades locais
e o conhecimento adquirido pelos pescadores de cada Ponto Focal do projeto. Atualmente o Projeto está
inserido em seis estados brasileiros: Santa Catarina, São Paulo, Rio de Janeiro, Espírito Santo, Bahia,
Pernambuco, e Pará. As ações de pesquisa e conservação do projeto tem as atividades focadas na
Biologia Pesqueira, Genética, Conhecimento Ecológico Local, Aquicultura Marinha, Educomunicação,
Educação Ambiental e Mergulho científico em nove estados litorâneos do país.
 

    Agnaldo Martins Silva

Ecologia do Nécton Marinho e Estuarino

Realiza estudos de organismos nectônicos com ênfase a peixes ósseos e cartilaginosos, cefalópodes, cetáceos, aves e quelônios marinhos quanto as sua biologia populacional (reprodução, alimentação e crescimento), composição específica, abundância, comportamento, conservação e estrutura de comunidades.

 

Foto   Camilah Antunes Zappes

Ecologia Humana e Conservação dos Recursos Naturais e Culturais

Objetivos do grupo: Atuar em pesquisas das áreas da Oceanografia Socioambiental, Ecologia, Etnoecologia, Etnogeografia e Etnobiologia de comunidades pesqueiras artesanais e agricultores familiares na costa do Brasil, com ênfase em conflitos ambientais e impacto de megaempreendimentos sobre comunidades tradicionais costeiras, principalmente.

Acesso à informação
Transparência Pública

© 2013 Universidade Federal do Espírito Santo. Todos os direitos reservados.
Av. Fernando Ferrari, 514 - Goiabeiras, Vitória - ES | CEP 29075-910